Nossa História

A Comunidade de Itapema, formada inicialmente por pescadores, começou a ser assistida religiosamente em 1917, com a criação da Capela Santo Antônio do Arraial de Itapema. Inicialmente atendida por padres que vinham de Itajaí, Brusque, Camboriú, Tijucas e, por fim, Porto Belo. Neste trabalho apostólico destacaram-se os padres Mons. Augusto Zucco (1955 – 1976), Pe. Artur Betti (1975 – 1985) e Pe. Valdemar Groh (1985 – 1990).

Em 4 de março de 1917 era concedida licença para o Vigário de Tijucas e Porto Belo, Pe. Ludovico Coccolo, efetuar a benção solene, segundo o Ritual, da nova Capela de Santo Antônio de Lisboa, no arraial de Itapema, da paróquia de Porto Belo.

Com a anexação da Paróquia de Porto Belo à de Tijucas, em 1955, seus moradores passaram a ser também atendidos pelos padres desta paróquia. Essa situação perdurou até 1976, quando a Paróquia do Senhor Bom Jesus dos Aflitos de Porto Belo passou novamente a ter pároco próprio.

A primeira capela estava situada no alto do morro, com uma bela vista para o mar no canto da praia, denominada Capela Santo Antonio do Arraial de Itapema. Os relatos de pessoas que vivenciaram a história da época, afirmam que entre as décadas de 60 e 70 esta capela foi demolida e construiu-se outra maior, onde hoje se encontra a Igreja Matriz.

Assim, por um Decreto da Cúria Metropolitana, datado de 5 de agosto de 1990, criava-se a Paróquia Santo Antônio de Itapema. No mesmo dia era nomeado seu primeiro pároco, Pe. Luís Darós, incardinado na Arquidiocese de São Paulo e que solicitaria sua transferência para Florianópolis. Pe. Luís deu o primeiro impulso à Paróquia e suas Capelas, ampliando e remodelando os templos existentes, já também precários para o atendimento a sempre crescente população da paróquia, sem se descuidar com o atendimento pastoral do povo.

Quando a paróquia foi criada era integrada pela matriz e mais quatro capelas: Sagrado Coração de Jesus (Meia Praia), São João Batista (Sertão do Trombudo), Cristo Rei (Morretes), e São Miguel (Mata de Camboriú). Em 1991 foram criadas as capelas Nossa Senhora Aparecida (Tabuleiro) e Sagrada Família (Alto São Bento).

No início de 1996, Pe. Luis Darós pede para ausentar-se da Paróquia, para fazer um ano sabático. Em seu lugar assume Pe. Sérgio Maykot, que estava estudando em Roma e viera ao Brasil, em outubro de 1995 para submeter-se a uma delicada cirurgia. Já restabelecido, assume a paróquia enquanto aguarda o início de novo ano letivo, em Roma. Em agosto de 1996 Pe. Sérgio Maykot retorna a Roma para concluir seus estudos, ficando a paróquia aos cuidados de seu Vigário Paroquial Pe. Wendelino Waterkemper, auxiliado pelos padres do Seminário de Azambuja.

Em 1° de fevereiro de 1997, é empossado como terceiro Pároco, o Pe. Lauro Roque Mittelmann, permanecendo como Vigário Paroquial o Pe. Wendelino Wanterkemper. Os diáconos permanentes eram Diác. Nilvo Jacob Sens, ordenado pela paróquia em 1989, e Diác. Antônio João Vicente, que chegou do mesmo dia de Itajaí permanecendo aqui apenas naquele ano.

Em 1998 foi oficializada a Capela Santa Luzia (Várzea), e em 1999 duas pequenas comunidades que se reuniam separadamente passaram a formar a Capela Nossa Senhora das Graças.

Foi então que, após a Páscoa do ano de 2003, inicia-se uma ousada demonstração de fé e serviço com a demolição da Igreja Matriz, já desgastada pelo tempo e pequena para o número de fiéis que a freqüentavam.

No mesmo ano, em 20 de dezembro, no mesmo local, ainda de modo precário, foi realizada a primeira missa na nova Igreja Matriz, abençoada por Deus e presidida por nosso Arcebispo Dom Murilo.

Em 2008, assume a paróquia o Pe. Mário Sérgio do Nascimento, que atualmente tem conduzido o povo de Deus dessa comunidade. A paróquia conta atualmente com 9 comunidades.

No dia 31 de Agosto de 2013, assume a Paroquia Santo Antônio o Pe. Leandro José de Souza, que atualmente estará atuando na 5 Comunidades presentes: Matriz Santo Antônio; São Miguel; Sagrada Família, Santa Luzia e Nossa Senhora Aparecida.

X